BRASILEIROS NA AMÉRICA DO NORTE

Alvaro Lima é Diretor de Pesquisas Econômicas e Sociais da Prefeitura de Boston. Foi Diretor de Pesquisas e Managing Director da Initiative for a Competitive Inner City (ICIC), uma organização fundada pelo Professor Michael Porter da Universidade de Harvard.  Foi ainda Diretor de Desenvolvimento Econômico da Urban Edge, corporação dedicada ao desenvolvimento econômico comunitário. Anteriormente, trabalhou como Chefe do Departamento Econômico do Ministério da Indústria e Energia em Moçambique. No Brasil, exerceu o cargo de Coordenador Regional de Projetos de Desenvolvimento no Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES). Alvaro possui Mestrado em Economia pela New School for Social Research.

INTRODUÇÃO

Segundo dados do Ministério das Relações Externas do Brasil, em 2022, a América do Norte era residência de cerca de 2 milhões de brasileiros. Os Estados Unidos têm a maior concentração de imigrantes brasileiros na América do Norte – 1,9 milhões de brasileiros – representando cerca de 42% dos imigrantes brasileiros e 91% da população brasileira no continente. No entanto, de acordo com o American Community Survey (ACS), pesquisa realizada pelo U.S. Census Bureau, o número de brasileiros residindo no país em 2021 é de 750.839 brasileiros. O Canadá e o México seguem à distância, com 7% e 2%, respectivamente.

Embora a imigração brasileira nos Estados Unidos ainda esteja concentrada nos estados de Massachusetts, Flórida, Nova Jersey, Nova York e Califórnia, ela tem conhecido uma grande dispersão na última década, fato este que não se dá, pelo menos com a mesma intensidade, no Canadá e muito menos no México. A maioria dos brasileiros que emigram para o Canadá mora em Toronto e aqueles residentes no México concentram-se na região metropolitana da Cidade do México.

 

Segundo a antropóloga Maxine Margolis (2009), os primeiros imigrantes brasileiros nos Estados Unidos vieram da cidade mineira de Governador Valadares. Tal ligação com Valadares, segundo a autora, começa durante a segunda guerra mundial, quando o Brasil passou a ser um dos maiores produtores de mica – na época, material crítico usado para isolamento em equipamentos militares. A mica era minerada nos arredores da cidade de Governador Valadares por empresas americanas. Após o final da guerra, a indústria entrou em crise, entretanto os vínculos entre Valadares e os Estados Unidos continuaram: engenheiros e demais profissionais estadunidenses, no retorno para seu país, “levaram” consigo alguns dos empregados brasileiros. A experiência com os estadunidenses em Valadares e as histórias sobre a vida nos Estados Unidos contada por esses brasileiros pioneiros inspiraram outros, anos depois, a empreenderem a viagem àquele país.

As relações econômicas entre o Brasil e o Canadá tiveram início na década de 1950 com a instalação da empresa canadense “Brazilian Traction Light and Power” no Brasil, posteriormente conhecida como “Light.” A Light, atual Brascan, dominou os setores de fornecimento de energia e telefonia, tornando-se a maior empresa privada da América Latina. Há registros que indicam que por quase um século a empresa recrutou seus administradores e engenheiros em Toronto. Conta-se também que alguns desses técnicos casaram-se com brasileiras, eventualmente retornando com suas esposas e filhos para Toronto e dando origem ao primeiro fluxo de brasileiros no Canadá.

 

Mapa: Maiores Comunidades Brasileiras na América do Norte por Cidades

O fluxo de emigração ao Canadá conhece um aumento nas décadas de 1960 e 1970, quando famílias de europeus refugiados de guerra e residentes no Brasil começam a reunificar suas famílias em outros países. Por esse motivo, 40% dos brasileiros que emigraram para o Canadá durante esse período não eram brasileiros natos. Até 1980, a comunidade brasileira era formada em sua maioria por empresários e trabalhadores de empresas transnacionais. Com a chegada da crise registrada nessa década no Brasil, o fluxo de emigração muda sua composição, passando a ser formado em grande parte por brasileiros natos que emigravam por razões econômicas.

A comunidade brasileira no México data de 1895 quando o Censo Nacional do Mexico contou 91 residentes brasileiros.  Com o golpe civil-militar de 1964 no Brasil, cerca de cem brasileiros foram admitidos como refugiados politicos. Hoje, o México conta com uma população brasileira de 45.000 pessoas, na sua maioria, residentes da Cidade do México.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 INEGI, Instituto Nacional de Estatística e Geografia. Censo de Poblacion y Vivienda.

 MARGOLIS, Maxine, Little Brazil: an ethnography of Brazilian immigrants in New York City. Princeton University Press, 1994.

Ministério das Relações Externas do Brasil (MRE), Comunidade Brasileria no Exterior, Estatísticas 2022.

 

Brasileiros em Londres

Enquanto o Censo Britânico de 2001 enumerava apenas 8 mil brasileiros morando em Londres, estimativas não oficiais punham este número entre 15.000 e 50.000 (Cwerner, 2001). Hoje, organizações brasileiras baseadas em Londres estimam que…

Brasileiros nos EUA e em Massachusetts

Este documento é patrocinado pelo Instituto Gaston e pelo Instituto Diaspora Brasil (IDB). Ele atualiza o relatório ‘Brasileiros nos EUA e em Massachusetts: Um Perfil Demográfico e Econômico’ publicado em 2007 por Álvaro Lima e Carlos Eduardo Siqueira.

As comunidades imigrantes…

Brasileiros na Itália

A imigração brasileira para a Itália tem raízes históricas. Na primeira metade do século XIX, o Brasil foi pressionado pelo Reino Unido para acabar com o tráfico de escravos criando uma crescente escarces de mão-de-obra nas zonas de expansão cafeeira. A primeira medida adotada pelos senhores do café …

Brasileiros no Canadá

Embora as relações entre Brasil e Canadá remontem a 1866 quando o Canadá inaugurou sua primeira missão comercial no território brasileiro, o primeiro registro de movimento migratório que se tem conhecimento ocorreu em 1902, quando um grupo de 48 brasileiros viajou em direção a …

Brasileiros no Japão

A emigração de brasileiros para o Japão está ligada ao fluxo migratório de japoneses para o Brasil no início do século XX. Impulsionado pelo próprio governo japonês e pela demanda de mão de obra para a cafeicultura em expansão no oeste paulista, cerca de 190.000 japoneses emigraram para o Brasil …

Porque os Brasileiros Voltam – O Retorno

O artigo “O sonho frustrado e o sonho realizado: as duas faces da migração para os EUA”, de Sueli Siqueira, apresenta quatro tipos de retorno. O primeiro é o “retorno temporário”, quando o imigrante define os Estados Unidos (ou outro país qualquer) como seu local de residência, juntamente à sua família assim como …

Remessas Sociais

As remessas são, em geral, entendidas somente como remessas monetárias. No entanto, elas podem também ter natureza social cultural. Peggy Levitt em seu artigo Social Remittances: Migration-driven Local-development Forms of Cultural Diffusion (1998) e subsequente livro The Transnational Villagers (2001), cunhou o termo “remessas sociais” (social remittances) para realçar o fato de que os imigrantes…

Remessas Monetárias

A globalização está acelerando a migração internacional. Impulsionada por uma série de fatores, tais como a crescente necessidade de mão de obra qualificada e não qualificada nos países desenvolvidos dado o baixo nível de fertilidade e o rápido envelhecimento da população; persistente pobreza…