Brasileiros na Itália

Introdução


A imigração brasileira para a Itália tem raízes históricas. Na primeira metade do século XIX, o Brasil foi pressionado pelo Reino Unido para acabar com o tráfico de escravos criando uma crescente escarcês de mão-de-obra nas zonas de expansão cafeeira. A primeira medida adotada pelos senhores do café foi a importação de escravos do Nordeste brasileiro, o que se mostrou insuficiente como fonte de mão-de-obra. Com a abolição da escravatura em 1888 e o progresso continuado da lavoura cafeeira na província de São Paulo, aumentou ainda mais a necessidade de mão-de-obra.

Por outro lado, a Itália acabava de passar por um período de guerras de unificação e encontrava-se debilitada, com altas taxas de crescimento demográfico e de desemprego. Os Estados Unidos, o maior receptor de imigrantes, passaram a criar barreiras para a entrada de estrangeiros no país tornando o Brasil um destino viável levando à maciça imigração de italianos para o Brasil entre 1887 e 1902.

A imigração italiana era vista com bons olhos pela elite brasileira da época pois além de prover a mão-de-obra necessária, ela era branca e católica o que, segundo o pensamento desta mesma elite, facilitaria o processo de assimilação desta população além de terem um impacto positivo no “branqueamento” da população do país – projeto antigo destas elites.

Entre 1880 e 1924, entraram no Brasil mais de 3,6 milhões de imigrantes, dos quais 38% eram italianos seguidos pelos portugueses, espanhóis e alemães. O Brasil posicionou-se, assim, como o terceiro maior país receptor de imigrantes italianos entre os anos 1880 e a Primeira Guerra Mundial atrás apenas dos Estados Unidos (5 milhões) e da Argentina (2,4 milhões).

As condições de trabalho no Brasil eram duras, o tratamento dado aos imigrantes cruel e o sistema de endividamento criava uma classe destituída que causou enorme comoção na imprensa italiana. Entre 1882 e 1914, 1.5 milhão de imigrantes de diferente nacionalidades chegaram a São Paulo e 695.000 deixaram o estado incluindo os italianos.

Depois de quase um século de imigração italiana para o Brasil, no final do Século XX, a rota se inverteu. Nos anos 1980, o Brasil vivia um agrave crise econômica enquanto a Itália vivia um “boom econômico.” Este foi, sem dúvidas, um grande incentivo para aqueles procurando novas formas de recomeçar suas vidas. No Brasil, esta década é lembrada como a “década perdida,” período marcado por grande incerteza econômica, desemprego crescente e hiper-inflação que acompanhou o Brasil até os primeiros anos da década de 1990.

A imigração brasileira para a Itália não se assemelha a estas dos brasileiros para outros destinos europeus (Bógus e Bassanez, 1996). Uma das características importante deste fluxo é a abrangência da lei italiana para a obtenção da nacionalidade por descendentes de imigrantes italianos. A Itália é o único país da Europa que permite a obtenção da nacionalidade por bisnetos de imigrantes. Segundo a Embaixada do Brasil na Itália, já foram concedidos mais de 215 mil títulos de nacionalidade italiana a brasileiros e outros 500 mil pedidos aguardam análise (BBC, 2008). Ainda segundo a mesma fonte, 10% dos brasileiros que conseguem a nacionalidade italiana fixa residência no país pondo assim, o número de brasileiros residindo na Itália como cidadão italiano em 30.000.  

Quantos Somos e Onde Vivemos

A proporção de estrangeiros residentes na Itália cresceu de 0,8% em 1990 para 7% em 2010, uma reviravolta enorme para um país eminentemente exportador de mão-de-obra por quase cem anos. Na chegada, a maioria dos imigrantes se dirigem para o centro-norte do país substituindo de certa forma a migração tradicional de jovens italianos do sul para o norte. Esse fluxo migratório é de importância fundamental para a economia italiana dado que sem ele, a população italiana teria 75.000 pessoas a menos em 2009. A imigração fez com que esta tenha ganho 295.000 pessoas (The Economista, 2011).

Enumerar corretamente a população brasileiros na Itália é tarefa bastante difícil pois além das fontes disponíveis não contemplam os imigrantes em situação irregular no país. Além disto, como referido anteriormente, nem todos os brasileiros detentores de cidadania italiana emigraram para a Itália. 

Dados estimam que nos anos 1980, o número de imigrantes brasileiros na Itália era de cerca 11 mil, sendo considerado a “primeira” comunidade migrante na Itália, após os peruanos e outros cidadãos do leste europeu, como romenos e albaneses.

Segundo os dados do Ministério de Relações Exteriores (MRE), a população brasileira imigrante na Itália era de 85.000 pessoas em 2010 correspondendo a cerca de 9% da população brasileira imigrante na Europa. O Instituto Nazionale di Statistica (ISTAT) aponta que no mesmo período (2009), residiam na Itália, com registro, cerca de 44.067 brasileiros. Entre 2002 e 2007, o número de residindo na Itália cresceu a uma taxa de média de 10,2% ocupando o 21º lugar em tamanho entre as comunidades migrantes sendo suplantada em termos de países da América Latina apenas pelo peru (11º) e Equador (13º).

Ainda segundo estimativas do Ministério das Relações Exteriores (MRE), em 2020, 161.000 brasileiros viviam na Itália. Em 2022, a população brasileira imigrante no país já era de 157.000 pessoas, um aumento de correspondendo a cerca de 3,4% da população brasileira residindo no exterior e 11% da população brasileira imigrante na Europa.

A Itália não é o destino primeiro dos brasileiros que decidem morar no exterior. Antes do “país da bota,” temos os Estados Unidos, Japão, Portugal, Espanha e Inglaterra. Quando na Itália, assim como na maioria dos outros países de destino, os brasileiros procuram as áreas metropolitanas por vários motivos. Golini e Trozza (1998), destacam dentre outros motivos: o fácil accesso

Estatísticas e Mapas

Brasileiros em Londres

Enquanto o Censo Britânico de 2001 enumerava apenas 8 mil brasileiros morando em Londres, estimativas não oficiais punham este número entre 15.000 e 50.000 (Cwerner, 2001). Hoje, organizações brasileiras baseadas em Londres estimam que…

Brasileiros nos EUA e em Massachusetts

Este documento é patrocinado pelo Instituto Gaston e pelo Instituto Diaspora Brasil (IDB). Ele atualiza o relatório ‘Brasileiros nos EUA e em Massachusetts: Um Perfil Demográfico e Econômico’ publicado em 2007 por Álvaro Lima e Carlos Eduardo Siqueira.

As comunidades imigrantes…

Brasileiros no Canadá

Embora as relações entre Brasil e Canadá remontem a 1866 quando o Canadá inaugurou sua primeira missão comercial no território brasileiro, o primeiro registro de movimento migratório que se tem conhecimento ocorreu em 1902, quando um grupo de 48 brasileiros viajou em direção a …

Brasileiros no Japão

A emigração de brasileiros para o Japão está ligada ao fluxo migratório de japoneses para o Brasil no início do século XX. Impulsionado pelo próprio governo japonês e pela demanda de mão de obra para a cafeicultura em expansão no oeste paulista, cerca de 190.000 japoneses emigraram para o Brasil …

América Central

BRASILEIROS NA AMÉRICA CENTRAL"Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis...

Idade, Gênero e Estado Civil

A estrutura etária da população brasileira no Japão sofreu alterações durante os últimos vinte anos. Enquanto em 1994, esta população concentrava-se majoritariamente nos grupos etários entre 20 e 34 anos (39%). Os dekasseguis na faixa etária de 35 a 39 anos representavam outros 17,2% (Associação Brasileira de Dekasseguis (ABD). Em 2020, a idade média dos brasileiros era de 35,9 anos comparada a dos japoneses (47.9).((Statiscs Bureau of Japan, Census 2020.))

Mudanças também ocorreram em relação a presença masculina que em 2002 predominava e hoje somente 48,6% da população.

Ainda, segundo a mesma pesquisa da ABD, a maioria dos dekasseguis era casados, a composição diferente da de hoje onde somente 28,3% dos brasileiros são casados, enquanto 59,5% nunca casaram; 1,3% são viúvos; 6,3% são divorciados.((4,3% não responderam.))Essa composição é bastante similar a da população japonesa. Os brasileiros são casados 2% mais que os japoneses; nunca casaram 3,5% mais que os japoneses; divorciados a somente um pouco maior -1.1% – e como a população é mais jovem que a japonesa, estes teem menos viúvos que os japoneses 

 

Motivos da Partida

As razões para a partida, continuam as mesmas dos anos iniciais e similares àquelas dos brasileiros que buscam outros destinos. Os dados da pesquisa de 2004 da Associação Brasileira de dekasseguis (ABD), apontava como razões para a emigração a “fuga do desemprego” (25% dos homens e 27,7% das mulheres); a “insatisfação com a renda/salário” (47,5% dos homens e 49% das mulheres); “poupar para abrir um negócio no Brasil” (48,7% dos homens e 35,9% das mulheres); “sustentar a família” (29,5% dos homens e 23,3% das mulheres); “conhecer o Japão” (25,7% dos homens e 32,3% das mulheres); “pagar estudos” (25,6% dos homens e 27,1% das mulheres); e “pagar dívidas” (8,9% dos homens e 7,6% das mulheres).

Patarra e Baeninger (2006) argumentam que os emigrantes brasileiros que se dirigiram principalmente para os países do primeiro mundo, buscavam principalmente a mobilidade social, que se encontrava truncada no Brasil na década de 1980. Assim, os nipo-brasileiros, pertencentes à classe trabalhadora ou oriundos da classe média, tornam-se imigrantes, retornando ao país dos seus ancestrais, de forma a compensar as perdas significativas em seus padrões de vida. Trocam o trabalho que dá prestígio no Brasil pelo trabalho que remunera. 

Inserção no Mercado de Trabalho e Educação

O Japão se defronta com um problema perene relacionado ao envelhecimento da população com a diminuição relativa da população em idade ativa, bem como a contínua queda da fecundidade que acentua essa tendência e leva a uma de crescimento negativo da população e seu declínio. Além disso, o Japão possui uma das maiores expectativas de vida do mundo. Em 2008, para as mulheres era de 86,05 anos de vida ao nascer e para os homens de 79,29, a maior do mundo entre as mulheres e a quarta maior entre os homens (Suzuki, 2009). Assim, essa dinâmica demográfica leva a uma queda acentuada da população ativa o que implica dificuldades no preenchimento dos postos de trabalho, principalmente aqueles não qualificados (Sasaki, 2000).

Embora a economia japonesa tenha experimentado falta de mão de obra nos anos prósperos de 1960, o tanto governo japonês quanto as grandes corporações optaram pela automação para não depender de mão-de-obra estrangeira. A partir dos anos 70, outra tentativa de suprimento de mão-de-obra foi feita pela incorporação cada vez maior das mulheres no mercado de trabalho em posições de baixo salário e tempo parcial nos setores manufatureiros e de serviços (Roberts, 1994).

Durante os anos 1980/1990, a escassez de mão-de-obra para abastecer as pequenas e médias empresas japonesas criou um dilema para o governo japonês – como manter a homogeneidade étnica e cultural (imaginada ou não) tão caras aos japoneses frente a demanda crescente de mão-de-obra para postos de trabalho não qualificados (Yamanaka, 1996). Para resolver estas questões econômicas e laborais, a resposta encontrada foi o recrutamento de mão-de-obra entre a diáspora japonesa.

Como referido anteriormente, com a reforma da lei de imigração de 1990, o Japão passou a conceder visto de permanência para os descendentes de japoneses estimulando assim, o fluxo migratório dos brasileiros nikkeis e seus cônjuges. No entanto, estes vistos eram emitidos com duração de 6 meses a 3 anos com possibilidade de renovação. Além disto, estes vistos estavam atrelados a contratos de trabalho com períodos fixos, podendo os empregadores eliminá-los quando dos seus términos.

A partir da metade da década de 1990, como decorrência da prolongada recessão econômica, os trabalhadores japoneses voltaram a ocupar os empregos que vinham sendo ocupados pelos estrangeiros sendo estes empurrados para segmentos ainda mais desfavoráveis do mercado de trabalho com relações empregatícias de caráter predominantemente contingêncial (Tanno, 2007).

As ocupações mais comuns  entre os brasileiros neste período inicial eram ligadas ao setor manufatureiro, seguida de ocupações em serviços de escritório e no setor de serviços em geral. Na sua maioria, os brasileiros exerciam trabalhos considerados indesejáveis para os japoneses nativos que exigiam pouca qualificação denominados pelos trabalhadores imigrantes como os trabalhos 5K: pesado (kisui), perigoso (kiken), sujo (kitanai), exigente (kibshii) e indesejável (kirai).((Kawamura, 1999)).   

A estrutura do mercado de trabalho japonesa é marcadamente dual, dividida entre os setores primários e secundários caracterizados pela disparidade salarial, benefícios, oportunidades de treinamento e estabilidade empregatícia entre as empresas mães (empresas contratantes), de grande porte, e as subcontratadas, de pequeno e médio portes (Genda, 2006; Kosugi, 2003; Hara e Seiyama, 2006) Assim, or recursos humanos destinados as primeira são na sua maioria oriundos das universidades e, formados por japoneses nativos formando um sistema de emprego vitalício denominado keiretsu (Tanno, 2007). Como resultado, os trabalhadores das pequenas e médias empresas não podem ser transferidos para as empresas mães (Tanno, 2007). Os brasileiros, na sua grande maioria, eram empregados por sub-contratantes e enviados para empresas do setor secundário como trabalhadores temporários.

Dados da Universidade de Sofia, na cidade de Toyota sugeriam que neste período inicial, 71% dos brasileiros estavam empregados no setor de autopeças e o restante distribuído em pequenas fábricas de produtos eletrônicos, carburadores para máquinas diversas, produtos de cerâmica, restaurantes, etc. Cerca de 84% estavam empregados em empresas com menos de 300 empregados ou de capital inferior a 100 milhões de ienes, consideradas pequenas e médias empresas pela lei japonesa (Tanno, 2007).

A crise de 2008….

Hoje, segundo o Censo japonês de 2020, os brasileiros representam 0.2% da força de trabalho japonesa com 112.474 brasileiros participando da força de trabalho ativa. Na sua maioria (96%) estão entre os 15 e 64 anos de idade. Os desempregados somavam 9%. Aqueles em idade de trabalho mas não engajados no mercado de trabalho contavam 19.407 pessoas. Outros 6.444 atendiam escola e 8.753 faziam trabalhos domésticos. 17.130 não responderam sobre seu status laboral.

Assim como no começo da emigração brasileira para o Japão, os emigrados de hoje, são predominantemente de classe média no Brasil refletido na alta parcela de pessoas com educação XXXX entre estes (Tsuda, 2003; Kajita et al., 2005 e XXXXX, 2020).

 

Referências Bibliográficas:

Bassanezi, M. S. B e Bógus, L. M. M. (1997). Brasileiros Soggiornanti na Itália: Um perfil Sócio-Demográfico. trabalho apresentado no I Simpósio Internacional sobre Emigração Brasileira, Lisboa.

Bógus, Lucia Maria M. (1995). “Migrantes Brasileiros na Europa Ocidental: Uma Abordagem Preliminar.” In Patarra, Neide L. Emigração e Imigração Internacional no Brasil Contemporâneo, FNUAP, São Paulo. 

Bógus, Luicia M e Bassanezi, Maria S. (1996). “Do Brasil para a Europa – Imigrantes Brasileiros na Península Itálica neste Final de Século.” in O Fenômeno Migratório no Limiar do 3º Milênio, Rio de Janeiro, Ed. Vozes.

Castro, Mary Garcia (Org.) (2001). Migrações Internacionais: Contribuições para Políticas, Brasil 2000. CNDP, Brasília.

Margolis, Maxine L. (2005). “Brazilians in the United States, Canada, Europe, Japan, and Paraguay. In Encyclopedia of Diasporas. Edited by Melvin Ember, carol R. Ember and Ian Skoggard. Springer.

Ministério das Relações Exteriores – MRE. (2022). Brasileiros no Mundo – Estimativas xxxx, Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior (SGEB); Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior (DCB: Divisão de Assitência Consular – DAC.

Porque os Brasileiros Voltam – O Retorno

O artigo “O sonho frustrado e o sonho realizado: as duas faces da migração para os EUA”, de Sueli Siqueira, apresenta quatro tipos de retorno. O primeiro é o “retorno temporário”, quando o imigrante define os Estados Unidos (ou outro país qualquer) como seu local de residência, juntamente à sua família assim como …

Remessas Sociais

As remessas são, em geral, entendidas somente como remessas monetárias. No entanto, elas podem também ter natureza social cultural. Peggy Levitt em seu artigo Social Remittances: Migration-driven Local-development Forms of Cultural Diffusion (1998) e subsequente livro The Transnational Villagers (2001), cunhou o termo “remessas sociais” (social remittances) para realçar o fato de que os imigrantes…

Remessas Monetárias

A globalização está acelerando a migração internacional. Impulsionada por uma série de fatores, tais como a crescente necessidade de mão de obra qualificada e não qualificada nos países desenvolvidos dado o baixo nível de fertilidade e o rápido envelhecimento da população; persistente pobreza…