BRASILEIROS NOS ESTADOS UNIDOS E EM MASSACHUSETTS

Introdução

Este documento é patrocinado pelo Instituto Gaston e pelo Instituto Diaspora Brasil (IDB). Ele atualiza o relatório ‘Brasileiros nos EUA e em Massachusetts: Um Perfil Demográfico e Econômico’ publicado em 2007 por Alvaro Lima e Carlos Eduardo Siqueira.

As comunidades imigrantes preocupam-se com a escassez de dados relevantes sobre suas experiências de vida e as consequências de serem invisíveis. Este relatório nos permitirá entender as características demográficas, distribuição espacial e contribuição econômica das comunidades brasileiras que vivem nos Estados Unidos e no estado de Massachusetts.

  

Brasileiros nos Estados Unidos

Os brasileiros têm uma presença significativa e em crescimento nos Estados Unidos. Em 2021, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil estimou que 4.215.800 brasileiros estavam vivendo no exterior. Dentre eles, calculou-se que 42% estavam vivendo nos Estados Unidos. Portugal (7%) foi o segundo país mais procurado por Brasileiros, seguido por Paraguai (6%), Reino Unido (5%), Japão (5%), Itália (4%), Espanha (4%), Alemanha (3%), Canadá (3%), e França (2%) seguidos por uma série de outros países.

    É bem documentado que o Censo dos Estados Unidos subestima as populações de baixa renda, estudantes e imigrantes, especialmente os indocumentados. No entanto, dentro dessa limitação, a American Community Survey (ACS) do U.S. Census Bureau produz uma amostra que permite traçar um perfil demográfico e econômico aproximado de segmentos específicos da população. Este relatório abrange os brasileiros tanto nos Estados Unidos como um todo quanto em Massachusetts.

    A American Community Survey (ACS) de 2021, realizada pelo U. S. Census Bureau, contabilizou 750.839 brasileiros em território americano. Essa população inclui tanto estrangeiros quanto aqueles nascidos nos Estados Unidos que reivindicam ascendência brasileira. Dessa população, 74,9% são nascidos no exterior.  A população brasileira nascida no exterior representa um aumento de 265% nos últimos 20 anos e constitui 1,3% da população total de estrangeiros no país, que é de 45,3 milhões. A Flórida é o destino mais popular para os brasileiros que vêm para os Estados Unidos, representando 21,8% do total da população brasileira no país. Em seguida, temos Massachusetts (15,0%), Califórnia (9,3%), Nova Jersey (9,1%) e Nova York (5,6%). Coletivamente, esses cinco estados representam 60,7% da população brasileira nos Estados Unidos.

    Brasileiros em Massachusetts

    De acordo com a American Community Survey (ACS) de 2021, o estado de Massachusetts é lar de aproximadamente 112.446 brasileiros, sendo o segundo destino mais popular para migrantes brasileiros nos Estados Unidos.

    Da população nascida no exterior, apenas 30,2% dos brasileiros em Massachusetts são cidadãos dos Estados Unidos. Isso é 5,7 pontos percentuais a menos do que a população brasileira como um todo nos Estados Unidos. Os 69,8% restantes não são cidadãos.

    Os dados referentes a cidadania refletem que a grande maioria dos brasileiros não cidadãos dos Estados Unidos chegou recentemente. Dos brasileiros em Massachusetts que não são cidadãos dos Estados Unidos, 63,7% entraram no pais entre 2010 e 2020, 25,1% entraram entre 2000 e 2009, 8,5% entraram entre 1990 e 1999 e 1,0% entraram antes de 1990. No ano seguinte à pandemia de Covid-19, em 2021, o estado de Massachusetts recebeu 1.050 imigrantes brasileiros, representando 1,7% do total da população brasileira não cidadã. 

    Dos brasileiros que são cidadãos naturalizados, apenas 9,7% chegaram na última  década (2010-2020), enquanto 31,2% entraram entre 2000 e 2009. 36,6% entraram entre 1990 e 1999 e 22,5% antes de 1990.

    Brasileiros em Londres

    Enquanto o Censo Britânico de 2001 enumerava apenas 8 mil brasileiros morando em Londres, estimativas não oficiais punham este número entre 15.000 e 50.000 (Cwerner, 2001). Hoje, organizações brasileiras baseadas em Londres estimam que…

    Brasileiros na Itália

    A imigração brasileira para a Itália tem raízes históricas. Na primeira metade do século XIX, o Brasil foi pressionado pelo Reino Unido para acabar com o tráfico de escravos criando uma crescente escarces de mão-de-obra nas zonas de expansão cafeeira. A primeira medida adotada pelos senhores do café …

    Brasileiros no Canadá

    Embora as relações entre Brasil e Canadá remontem a 1866 quando o Canadá inaugurou sua primeira missão comercial no território brasileiro, o primeiro registro de movimento migratório que se tem conhecimento ocorreu em 1902, quando um grupo de 48 brasileiros viajou em direção a …

    Brasileiros no Japão

    A emigração de brasileiros para o Japão está ligada ao fluxo migratório de japoneses para o Brasil no início do século XX. Impulsionado pelo próprio governo japonês e pela demanda de mão de obra para a cafeicultura em expansão no oeste paulista, cerca de 190.000 japoneses emigraram para o Brasil …

    América Central

    BRASILEIROS NA AMÉRICA CENTRAL"Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis...

    PARA DOWNLOA DO RELATÓRIO EM PORTUGUÊS CLICK AQUI

    PARA DOWNLOAD DO RELATÓRIO EM INGLÊS CLICK AQUI

     PARA DOWNLOAD DA APRESENTAÇÃO CLICK AQUI

     PARA ACESSAR A BASE DE DADOS E DOCUMENTOS ADICIONAIS

     OS AUTORES:

     Michelle Borges é uma economista brasileira, que atualmente está cursando mestrado em Economia Aplicada na University of Massachusetts Boston e trabalhando como assitente de pesquisa no Instituto Mauricio Gastón para Desenvolvimento Comunitário Latino e políticas Públicas. Seus interesses de pesquisa abragem as áreas de Economia do trabalho, Economia do desenvolvimento, Imigração e Economia Feminista.

    Phillip Granberry é um demógrafo social especializado em imigração nos Estados Unidos. Ele trabalhou com várias organizações comunitárias auxiliando imigrantes recém-chegados aos Estados Unidos antes de obter um doutorado em Políticas Públicas. Sua pesquisa se concentra na acumulação e uso de capital social entre os imigrantes mexicanos e no impacto da reforma de políticas de bem-estar e imigração sobre os latinos em Massachusetts. Atualmente, ele é associado de pesquisa sênior do Instituto Gastón, e leciona no Departamento de Economia da UMass Boston, onde ministra cursos sobre migração internacional e desenvolvimento econômico de áreas metropolitanas. 

    Alvaro Lima é Diretor de Pesquisa da Boston Planning and Development Agency. Após trabalhar em projetos de desenvolvimento econômico para comunidades de baixa renda no

    sul do Brasil, ele trabalhou em Moçambique como economista de desenvolvimento para o Governo da Frelimo – o primeiro governo socialista da África. Alvaro foi vice-presidente sênior e diretor de pesquisa da Initiative for a Competitive Inner City (ICIC) nos Estados Unido. Antes da ICIC, ele foi Diretor de Desenvolvimento Comunitário na Urban Edge, uma corporação de desenvolvimento comunitário sediada em Boston. Alvaro possui mestrado em Economia política  pela New School for Social Research e é fundador do Instituto Diáspora brasil (IDB).  

    Victor Luis Martins possui mestrado em Economia Aplicada pela University of Massachusetts Boston. Ele é especializado em Economia Financeira e Macroeconomia , e aplica metodologias de pesquisa quantitativa e qualitativa  para analisar questões econômicas e de políticas sociais. Atualmente sua pesquisa se concentra nos efeitos da financeirização e da carga de juros nos Estados Unidos , bem como em outros fatores econômicos e demográficos relacionados às comunidades Latinas no estado de Massachusetts. A pesquisa de Victor envolve habilidades de programação para análise de dados e modelagem estatística que complementam sua proficiência empírica na interpretação e análise de dados.

    Porque os Brasileiros Voltam – O Retorno

    O artigo “O sonho frustrado e o sonho realizado: as duas faces da migração para os EUA”, de Sueli Siqueira, apresenta quatro tipos de retorno. O primeiro é o “retorno temporário”, quando o imigrante define os Estados Unidos (ou outro país qualquer) como seu local de residência, juntamente à sua família assim como …

    Remessas Sociais

    As remessas são, em geral, entendidas somente como remessas monetárias. No entanto, elas podem também ter natureza social cultural. Peggy Levitt em seu artigo Social Remittances: Migration-driven Local-development Forms of Cultural Diffusion (1998) e subsequente livro The Transnational Villagers (2001), cunhou o termo “remessas sociais” (social remittances) para realçar o fato de que os imigrantes…

    Remessas Monetárias

    A globalização está acelerando a migração internacional. Impulsionada por uma série de fatores, tais como a crescente necessidade de mão de obra qualificada e não qualificada nos países desenvolvidos dado o baixo nível de fertilidade e o rápido envelhecimento da população; persistente pobreza…